Como convencê-la a fazer sexo anal

Autor:  
Assunto: Só para eles

Muitos homens adoram sexo anal, mas convencer sua parceira a fazê-lo pode ser um desafio. Então, como convencê-la a fazer isso por você? Antes de mais nada: converse com ela. Tente entender quais os medos e preocupações dela, demonstre-se empático e acalme-a. Nada de tentar colocar seu pênis “lá” de surpresa! Você pode arruinar não só seu desejo, mas qualquer outro tipo de relação sexual entre vocês.

Muitas mulheres fazem sexo anal uma vez e juram nunca mais fazer de novo. Isso geralmente acontece quando essa primeira tentativa foi dolorosa – e, infelizmente, geralmente é mesmo. Algumas sequer tentaram, mas já tem um pavor adquirido de tanto ouvir histórias horríveis a respeito. Afinal, ao menos que sua parceira seja masoquista, ela certamente não vai querer sentir tanta dor!

Contudo, o ânus é repleto de terminações nervosas que, se estimuladas corretamente, podem, sim, causar prazer. Ao tentar convencer sua parceira a fazer sexo anal, você deve certificá-la de que fará tudo com a maior calma e paciência possíveis, respeitando os limites dela e procurando fazer com que a experiência seja prazerosa pra ela também – e de fato cumprir o que diz, não vá se empolgar ali na hora e esquecer de todas essas promessas!

Em primeiro lugar, deve haver uma preparação mínima para o dia em que vocês farão isso. Deve ser um dia em que ambos tenham tempo de sobra e um lugar em que vocês certamente não serão interrompidos. É essencial que sua parceira esteja relaxada e principalmente excitada. Para isso, você deve caprichar bastante nas preliminares e tentar fazê-la gozar antes de propor pôr seu pênis em outro lugar. Conhecendo-a, você deve saber o que mais a excita e do que ela mais gosta. Faça uso de todos os artifícios possíveis pra que ela fique o mais confortável e no clima possível.

Após ter caprichado nas preliminares, tê-la feito gozar e ter certeza de que ela está excitadíssima, dê sinais do que você quer.Vire-a de barriga pra baixo e acaricie e beije sua nuca, suas costas até chegar em seu bumbum e ali permanecer. Trate o bumbum dela como uma peça de porcelana que não pode ser quebrada, com muito cuidado e carinho e, aos poucos, vá se aproximando de seu ânus. Passe bastante lubrificante em seu dedo (bastante mesmo, pois o ânus não possui a lubrificação natural que a vagina possui) e passe no ânus dela, “abrindo caminho” com seu dedo, preparando o terreno para o que vem depois.

É mais que necessário que você use camisinha, pois nem você nem ela vão querer correr o risco de pegarem uma infecção por conta de alguma bactéria intestinal indesejada. Após colocar a camisinha e passar lubrificante também em seu pênis, é hora de começar a penetração. Faça-o lentamente, sempre prestando atenção às expressões de sua parceira. Se perceber que ela está com dor, não tire o pênis, apenas pare de penetrar por alguns segundos. O mais difícil é fazer a cabeça passar pela entrada do ânus, pois é a região que mais causa dor da mulher. Após ter passado a cabeça, continue a penetração lentamente até completá-la. Dê uns segundos para a mulher se adaptar à situação e comece a se movimentar. Aos poucos, você pode acelerar seus movimentos, mas cuide para não fazê-los com força excessiva.

Após a penetração, é essencial que você evite fazer qualquer expressão que expresse nojo – pois pode ser que ao retirar o pênis ele esteja sujo de fezes –, pois qualquer expressão nesse sentido pode fazer sua parceira se sentir envergonhada e não querer repetir a experiência. Também é bom não deixá-la ver a camisinha se ela sair suja dessa forma. Ela própria pode ficar com nojo e desistir de fazer sexo anal de novo.

Por fim, deite-se com ela na cama e lhe dê mais carinho que de costume, como quem mostra que você apreciou o “esforço” que ela fez por você. Se você não for afobado e fizer tudo com calma e delicadeza, é bem provável que ela goste da experiência e que você não tenha mais problemas para convencê-la a fazer sexo anal. Mas lembre-se de repetir esse mesmo procedimento toda vez que fizerem, pois se machucá-la (não importa se na primeira, na segunda ou na décima vez), ela pode não querer se arriscar de novo.