Como se recuperar de uma traição

Autor:  
Assunto: Traição

Recuperar-se de uma traição é sempre um processo lento e doloroso. O bom é que é, sim, possível. Mas tudo depende única e exclusivamente de como você próprio vai encarar a situação.

É normal vermos pessoas que antigamente eram alegres e sorridentes se tornarem tristes, amargas e, acima de tudo, desconfiadas. Pessoas traídas costumam perder momentaneamente a confiança no sexo oposto, promovendo generalizações (“São todos iguais, só mudam de endereço”) e bloqueando qualquer tentativa alheia de se aproximar. Passar por esse período de “trevas” após uma situação tão desgastante como uma traição é perfeitamente normal e cada pessoa reage de uma maneira diferente – algumas se tornam agressivas, outras se tornam carentes, outras ficam depressivas e por aí vai.

Infelizmente, o conselho que mais se ouve quando se passa por uma situação assim é: “Não fique assim, ele(a) não te merece”, que é a coisa que menos queremos ouvir naquele momento! Como já dito, é absolutamente normal passar por uma fase de descontentamento, o problema começa quando ela não vai embora.

Todo mundo sabe que o “tempo cura tudo”. O que a sabedoria popular não menciona é que esse “tempo” quem define é você (e só você!).Você, melhor do que ninguém, conhece seus próprios limites e sabe de onde tirar forças pra agüentar o tranco, ninguém pode fazer isso por você. Seus amigos e família podem, claro, ajudar no sentido de se mostrarem sempre presentes caso você precise de um ombro pra chorar e também contribuírem na reestruturação da sua auto-estima, que certamente foi abalada pela traição. Contudo, se você próprio não estiver consciente de que quem tem que sair da fossa com as próprias pernas é VOCÊ, não vai adiantar ter mil amigos querendo te puxar pra fora dela!

Depois de você ter se conscientizado de que é você o responsável por sua própria recuperação, chega o momento de tomar a grande decisão. Você vai continuar com a pessoa ou não? Aqui, é necessário reforçar uma palavrinha dessa pergunta: VOCÊ vai continuar com a pessoa ou não? Pois, novamente, a decisão é SÓ sua. Você certamente vai ouvir milhões de palpites alheios, mas com certeza nenhuma dessas pessoas sabe o que se passa dentro da sua cabeça e, especialmente, do seu coração. Portanto, tente tomar sua decisão baseando-se no que você acha que lhe fará mais feliz no futuro – por mais que, no momento, seja uma decisão difícil e dolorosa.

Se você optar por continuar com a pessoa, tenha em mente que o laço de confiança entre vocês nunca mais será o mesmo. Perdoar é uma coisa, esquecer é outra, e a probabilidade de a traição vir à tona em uma próxima discussão ou briga é imensa e é bom se preparar para ter crises fortes de ciúmes e algumas recaídas depressivas. É importante que você pergunte ao seu parceiro os motivos de sua traição, pois entender o que o(a) levou a fazê-lo pode ajudar a compreender melhor a situação e desculpá-la. Diga que, apesar de estar dando uma nova chance ao amor de vocês, ele(a) a(o) machucou muito, deixe claros os seus sentimentos e mostre ao infiel que você não está disposta(o) a passar por tudo isso de novo. E, naturalmente, fique de olhos bem abertos!

Se você decidir seguir em frente sem aquela pessoa, dedique-se de corpo e alma a você mesmo. Tente se lembrar de todos os defeitos que a pessoa tinha e fique feliz por ter e livrado deles! Distraia-se, procure seus amigos, vá à academia, faça compras, viaje… Tenha em mente que você pode, sim, ter recaídas e querer voltar correndo para os braços de quem a(o) traiu, mas que vale mais a pena resistir à tentação do que passar por um grande sofrimento de novo. E nunca esqueça que você não é a primeira nem a última pessoa a passar por isso e, veja só, todo mundo sobreviveu, por que com você seria diferente, certo?

Suas decisões e sua recuperação exigem tempo. Mas lembre-se: esse tempo é você quem determina.